Notícias

Estados Unidos proíbem tablets e laptops em vôos de oito países de maioria muçulmana

O Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos anunciou hoje novas restrições para vôos com origem de oito países do Oriente Médio

Confirmando os relatos de ontem de que tal proibição seria implementada logo nesta semana, os Estados Unidos anunciaram novas restrições em vôos de 8 países. As restrições proíbem que dispositivos eletrônicos maiores do que um smartphone sejam transportados na cabine do avião, incluindo laptops, tablets, e-readers, câmeras, aparelhos de DVD portáteis e dispositivos de jogos portáteis (maiores do que um smartphone).

 

No entanto, todos esses dispositivos podem ser colocados na bagagem despachada. Nem o DHS nem a Transportation Security Administration forneceram um raciocínio firme para a proibição, como escolher quais aeroportos seriam envolvidos nas novas medidas de segurança ou se a proibição está de qualquer forma relacionada a um plano terrorista ativo. A notícia da proibição começou pela primeira vez a percolar a internet ontem, quando a companhia aérea Jordanian parcialmente divulgou-o em um tweet desde-apagado, que foi enquadrado como uma mensagem para os passageiros.

“A inteligência avaliada indica que os grupos terroristas continuam a alvejar a aviação comercial, para incluir o contrabando de dispositivos explosivos em vários itens de consumo”, diz um comunicado de imprensa do DHS colocado nesta manhã. “Com base nesta tendência, a Administração de Segurança de Transportes, em consulta com os Departamentos e Agências relevantes, determinou que é prudente aumentar a segurança, incluindo procedimentos de segurança aeroportuária para passageiros em certos aeroportos de último ponto de partida para os Estados Unidos”.

A ação afetará nove companhias aéreas em oito países em 10 aeroportos, confirmaram altos funcionários do governo em uma entrevista coletiva na segunda-feira. A lista de países inclui Jordânia, Qatar, Kuwait, Marrocos, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita e Turquia. A lista de companhias aéreas afetadas inclui a Royal Jordanian, a Egypt Air, a Turkish Airlines, a Saudi Arabian Airlines, a Kuwait Airways, a Royal Air Maroc, a Qatar Airways, a Emirates e a Etihad Airways. A ordem está sendo emitida como uma diretiva de segurança da TSA. As companhias aéreas terão 96 horas para cumprir ou o DHS trabalhará com a FAA para revogar a autorização para que essas companhias aterrissem nos EUA, disseram autoridades.

Não está claro qual é o objetivo final da proibição da eletrônica, pois parece projetado apenas para pressionar os viajantes e companhias aéreas dos países afetados e tornar o processo de vôo mais pesado e perturbador. Também não está claro, neste momento, quais são os vínculos diretos que essa proibição tem com a proibição de viagens mal-intencionada do governo Trump, uma versão revisada do que foi emitida no início deste mês e está novamente sendo contestada por tribunais dos EUA. No entanto, a notícia de mais restrições impostas aos países de maioria muçulmana pode enflamar ainda mais as tensões nos EUA e com aliados estrangeiros, em vez de atingir o pretendido objetivo de frustrar possíveis complicações terroristas.

A proibição afetou nove linhas aéreas em oito países

DHS está salientando que este é específico do aeroporto, e não destinado a segmentar um negócio ou país específico. As companhias aéreas afetadas apenas são as únicas com vôos diretos para os EUA a partir da lista de aeroportos DHS e TSA consideraram ameaças, disseram as autoridades.

Aqui está a lista completa de aeroportos fornecida pelo DHS:

  • Aeroporto Internacional Queen Alia (AMM)
  • Aeroporto Internacional do Cairo (CAI)
  • Aeroporto Internacional de Ataturk (IST)
  • Aeroporto Internacional King Abdul-Aziz (JED)
  • Aeroporto Internacional King Khalid (RUH)
  • Aeroporto Internacional de Kuwait (KWI)
  • Aeroporto Mohammed V (CMN)
  • Aeroporto Internacional de Hamad (DOH)
  • Aeroporto Internacional de Dubai (DXB)
  • Aeroporto Internacional de Abu Dhabi (AUH)

No entanto, funcionários se recusaram a dizer se a proibição é uma resposta direta a informações credíveis relacionadas a um possível ataque terrorista, em vez citando ataques nos últimos dois anos que ocorreram na Somália, Egito, Bélgica e Turquia. (Nenhum dos ataques citados envolveu o contrabando de armas ou explosivos em um dispositivo eletrônico.)

Funcionários também se recusaram a responder a uma série de outras questões críticas, como qual era a diferença entre um dispositivo na cabine e um dispositivo no porão de carga ou até mesmo quanto tempo as restrições permaneceriam no lugar. A proibição não se aplica aos voos para os aeroportos afetados, nem se aplica aos funcionários das companhias aéreas. Não se diz que nenhuma companhia aérea dos Estados Unidos seja afetada pela diretiva, já que nenhuma delas tem vôos diretos dos aeroportos afetados para aqueles nos EUA.

Publicidade
Click para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Populares

Topo